Lesão prolongada - Alteração biomecânica?

Tópicos em 'Pergunte ao Fisioterapeuta' iniciados por mpercheiro, 12 Sep 2018.

  1. mpercheiro

    mpercheiro Membro

    Boa tarde,

    Sou um jovem de 31 anos que em 2001 (há 17 anos) fez uma rotura do Ligamento Cruzado Anterior.

    Após esta lesão, andei durante anos à espera de um diagnóstico certo e verdadeiro, pois entre ecografias e Rx ninguém se lembrou de me fazer uma ressonância magnética. Posto isto, em 2005 sou sujeito a uma operação cirurgica onde me é feita uma meniscectomia mas onde o ligamento, por qualquer razão que ainda hoje desconheço (talvez pela minha idade?), não é reparado. Tal facto resulta na manutenção da instabilidade; em recaídas várias; e na perda de muita massa muscular do quadricipe. O tempo vai passando, e em 2013 sou novamente submetido a uma cirurgia, desta vez para reconstrução do LCA. A cirurgia decorre sem problemas, mas, no pós-operatório é a minha parvoíce e excesso de confiança que estragam o resultado: a descer despreocupadamente umas escadas com as muletas, as mesmas escorregam e obrigam-me a ir com o joelho recém-operado ao chão, rompendo parcialmente o novo enxerto ligamentar. Isto traduz-se pois na manutenção da instabilidade do joelho, e na manutenção da situação da massa muscular do quadrícipe que desde há vários anos parece não "desenvolver" não importa o quanto eu faça para que isso aconteça.

    Chegamos a 2018 e estou em vias de ser operado novamente, e espero que pela ultima vez, para repor o LCA. Confio bastante no médico que me vai operar pois só tenho ouvido bom feedback. Será o Dr. Pedro Pessoa.

    A razão que me leva a escrever este tópico é o seguinte: dada a duração entre a lesão original e esta derradeira cirurgia (os tais 17 anos), é possível que o meu joelho tenha agora uma "nova forma", ou seja, terá esta prolongada lesão causado alterações biomecânicas ao meu joelho que potenciem nova lesão, mesmo com o ligamento cruzado restabelecido?

    Desde já o meu muitíssimo obrigado a quem me responder.

    Cumprimentos,

    Manuel Percheiro

Partilhar esta página